O tratamento da mente e do corpo humano pode contar com muito mais do que a alopatia. Terapias alternativas também estão disponíveis e são passíveis de fazer extremamente bem para, praticamente, qualquer pessoa.

Porém, para que os resultados sejam os melhores possíveis, é preciso saber do que se trata, em termos de conceitos e de tipos, as terapias alternativas. Além delas, deve-se saber mais, também, sobre as chamadas terapias complementares.

Esse tipo de terapia, ainda que seja alternativa, também possui uma sequência de regras a serem seguidas, podendo ser efetuada apenas por profissionais que entendam do assunto.

Terapias alternativas e complementares

Terapias alternativas e complementares são usadas para ajudar a gerenciar diversas condições existentes e estimular uma boa saúde.

Elas são práticas naturais ou produtos que se desenvolveram fora da medicina convencional. Eles têm três categorias principais:

  • Fisioterapia, que inclui, por exemplo, exercícios, yoga, luzes, acupuntura e mais;
  • Nutracêuticos (vitaminas e minerais), que incluem, por exemplo, vitamina D, ácido fólico, magnésio, ácidos gordos ómega-3;
  • Remédios feitos à base de ervas, como, por exemplo, erva de São João, raízes diversas e açafrão.

Podendo ser usadas separadamente ou unidas, essas terapias tem apresentado excelentes resultados ao longo dos anos – mas apenas quando executadas por profissionais no assunto, sendo importante ficar atento a isso.

Terapias alternativas mais procuradas

As terapias alternativas mais procuradas variam bastante de região para região e da época que está sendo vivida. Porém, na atualidade, as categorias mais buscadas são:

  • Terapias alternativas para tratamento de câncer
  • Quiropraxia
  • Medicina Complementar e Integrativa
  • Suplementos Dietéticos
  • Fitoterapia
  • Homeopatia
  • Nutracêuticos, remédios para o corpo e suplementos

Pesquisadores estão investigando a eficácia de uma série de nutracêuticos, remédios de ervas e suplementos como tratamentos para depressão, ansiedade e outras doenças mentais.

O Royal College of Psychiatrists publicou, recentemente, um resumo do que sabemos sobre alguns dos remédios e suplementos fitoterápicos.

O resumo inclui informações sobre como cada substância é pensada para executar o trabalho, quais são os seus efeitos colaterais e suas interações com medicamentos.

Terapias alternativas cursos

Conforme dito, a terapias alternativas só pode ser administrada por profissionais no assunto. Isso significa que existem cursos específicos para que uma pessoa se torne uma expert no assunto.

Esses cursos podem ser encontrados em diversos locais do Brasil, sendo especialmente feitos de forma presencial – ainda que existam variações online deles.

Os cursos geralmente duram bastante tempo e capacitam os profissionais não apenas em relação à técnica a ser aplicada, mas também em relação aos cuidados da mente oferecidos aos pacientes.

Isso é importante uma vez que diversos pacientes recorrem às terapias alternativas justamente por terem consigo diversos traumas – causados ou não pela alopatia – e pela busca por um contato maior com seu lado espiritual e natural.

Terapias alternativas artigo

De acordo com um relatório de 2011 do Instituto de Medicina, cerca de 100 milhões de adultos sofrem de dor crônica, o que reúne cerca de 40% de todas as pessoas com mais de 18 anos.

O alívio dessas dores pode custar muito caro em termos de cuidados incrementais e perda de produtividade. Mas, muitas vezes, não há muito remédio para ajudar.

Os opióides prescritos são altamente viciantes e se tornam menos eficazes com o tempo, e as overdoses podem facilmente se tornar fatais, então, os médicos tentam não prescrevê-las a longo prazo.

Isso deixa muitos milhões de pessoas tomando anti-inflamatórios não esteroidais (AINEs), como ibuprofeno e aspirina.

Mas quando eles são usados ​​a longo prazo e de forma diária, essas drogas podem causar sérios problemas gastrointestinais.

Uma razão pela qual a dor é tão difícil de tratar é que ela não é apenas física. Ela pode continuar por muito tempo após o término da doença ou lesão inicial. Pode mudar sua forma de atuar por todo o corpo de maneiras desconcertantes, até mesmo alojando-se em membros fantasmas.

Duas pessoas diferentes podem ter a mesma condição física e sentir a dor de maneiras dramaticamente diferentes.

Segundo o relatório do Instituto de Medicina, a dor critica “a crença de longa data em relação à separação estrita entre mente e corpo, frequentemente atribuída ao filósofo francês do início do século XVII, René Descartes”.

É justamente essa carência oferecida pelo tratamento alopático que faz com que diversas pessoas busquem terapias alternativas para sanar suas necessidades, contando com produtos naturais, não viciantes e funcionais.

Terapias alternativas – Fisioterapia

Muitas terapias físicas funcionam aumentando a capacidade das pessoas de tolerar estresse. Um exemplo disso é:

  • Evidências científicas sugerem que a prática de yoga proporciona benefícios ao atuar na reatividade ao estresse.
  • Pessoas com ansiedade ou transtornos depressivos são frequentemente altamente sensíveis ao estresse e têm reações hiperativas do sistema nervoso simpático (a resposta de “luta ou fuga” do sistema de excitação).
  • Quando uma pessoa está sob estresse ou percebe uma ameaça, o sistema nervoso simpático entra em ação (tensão interna, palmas das mãos suadas, batimentos cardíacos acelerados, etc.) para ajudá-los a se preparar para evitar essa ameaça, com o aumento da secreção de hormônios como a adrenalina.
  • A yoga foi apontada como uma forma de ajudar a melhorar a tolerância ao estresse, estimulando o sistema nervoso parassimpático (o sistema calmante) e reduzindo a atividade do sistema nervoso simpático.

Quando a tolerância ao estresse aumenta, a sensibilidade ao estresse é reduzida e a vida diária de uma pessoa pode ser mais gerenciável.

Isso significa que – mesmo além da yoga – as terapias alternativas de fisioterapia são provadas cientificamente como funcionais para gerenciar mais do que o fortalecimento muscular e físico, mas também a mente humana.

Terapias alternativas para depressão

A fisioterapia, além dos nutracêuticos, são terapias alternativas excelentes e comprovadas em seu funcionamento para aqueles que desejam lidar com a depressão e com mais problemas relacionados à psique humana.

O exercício físico feito através da fisioterapia é apontado por pesquisas para oferecer um efeito definitivo na redução dos sintomas de depressão e transtornos de ansiedade.

Você não precisa entrar em uma academia – é o suficiente para fazer exercícios rápidos pelo menos três vezes por semana, por no mínimo 30 minutos. Isso pode incluir correr, andar rápido ou andar de bicicleta, por exemplo.

A yoga pode reduzir o estresse, conforme apontado acima e, isso, por sua vez, pode ter um efeito benéfico sobre os sintomas da depressão.

A yoga pode reduzir o estresse, conforme apontado acima e, isso, por sua vez, pode ter um efeito benéfico sobre os sintomas da depressão.

Já massagens como a oferecida pela quiropraxia podem relaxar as pessoas de forma semelhante ao yoga e levar a sintomas reduzidos de depressão.

Qualquer uma das terapias alternativas acima citadas devem ser realizadas por um profissional treinado.

5.0
02

Escreva um Comentário